A quebra já atingiu o setor automóvel

Fonte: inforh
Fonte: inforh

A crise económica já bateu à porta do setor automóvel. Os concessionários, em março, registaram uma quebra de vendas na ordem dos 56,6%, referiu ao Jornal Económico, o secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), Hélder Pedro.

Em comunicado, as associações automóveis mostram-se preocupadas com esta quebra no setor e exigem um “plano de apoio” para as empresas que registaram, em 2019, um volume de negócios de 5.900 milhões de euros.

A ACAP divulgou também os dados referentes ao mês de fevereiro, no qual se verifica, desde 16 de março, uma quebra de vendas de automóveis perto de 80%. Ou seja, com a promulgação do Estado de Emergência “o setor parou e agora vamos ver como vai ser abril”, refere Hélder Pedro, ao Jornal Económico. Para o secretário-geral este é um “cenário de cataclismo”.

Ao mesmo tempo, as quatro associações do setor, que representam cerca de 29 mil empresas automobilísticas, uniram-se e classificam a situação como uma “guerra devastadora”. “Tem de ser criado um plano de apoio específico com medidas que atenuem a crise, mas também para manter a sua competitividade”, explicam em nota de imprensa.

As associações do setor automóvel concordam com as medidas já tomadas pelo Governo, mas exigem a criação de uma linha de crédito específica para as empresas. Ao ECO, estas entidades dizem acreditar que a crise gerada pela pandemia de Covid-19 “irá ter os efeitos de uma guerra devastadora, com especial impacto” na economia.

Com o prolongamento das medidas de contenção, os espaços de venda de automóveis vão continuar encerrados, não sendo possível determinar pela ACAP a possível abertura para este mês ou maio.