Apple e Google anunciam parceria histórica contra a Covid-19

Fonte: Apple Newsroom

Pela primeira vez, as duas gigantes tecnológicas anunciam iniciativa conjunta, trabalhando em projeto contra a ameaça do coronavírus.

As titãs da tecnologia Apple e Google lançaram ontem, 20 de maio, o sistema de mapeamento de pessoas infectadas pelo vírus. O intuito, afirmam as duas empresas, é alertar quem o usa sobre contágios em seus ciclos próximos de contato, para evitar que a doença se espalhe.

Em comunicado oficial a imprensa, publicado pela Apple, o plano de ação foi detalhado: acontecerá em dois passos. O primeiro, já em andamento, disponibiliza APIs, ou Application Programming Interfaces, nos dois sistemas operacionais – IOS e Android. Trata-se de uma série de comandos específicos que serão então incorporados ao sistema de Bluetooth disponível nos telemóveis. Estes protocolos permitirão, por sua vez, a procura por ¨matches¨ entre os aparelhos que estiveram em próximos à pessoas infetadas.

Caso tenha havido esse contato, uma notificação é emitida para o utilizador, que será informado de uma interação com alguém contaminado, mas não saberá quem é está pessoa.

Fonte: G1

A segunda fase será então de expansão destas funcionalidades, permitindo a interação em rede do protocolo e várias outras aplicações, nomeadamente a de órgãos oficiais de saúde, além da participação de utentes do sistema, no rastreio de casos.

Ambas as empresas destacam o papel central da privacidade e do consentimento, garantidos aos utentes, que terão seus dados armazenados no sistema somente enquanto estiverem contaminados. Todas as questões relativas ao assunto foram abordadas em um documento, disponibilizado pelas companhias.

O Observador reporta que, os dados só serão utilizados até que a doença esteja controlada, sendo depois descartados, e que a lista de contatos e possíveis infeções fica no dispositivo do utente, é não é compartilhada de nenhuma forma.

Segundo o G1, a ferramente está disponível, neste primeiro momento, em vinte e dois países, como Uruguai, Alemanha e Holanda e ainda nos estados Americanos do Alabama, Carolina do Sul e Dakota do Norte.

[artigo original publicado dia 16 de abril, 2020 e atualizado dia 21 de maio]