Aquecimento global pode lesar a produção de algas no Japão

Fotografia: Arquivo
Fotografia: Arquivo

As mudanças climáticas voltaram ao noticiário por conta da redução de emissões de poluição. No entanto, previsões sobre o seu impacto preocupam o consumidor japonês: elemento da culinária local, a alga pode desaparecer da costa de Hokkaido ainda neste século.

Segundo previsões de um grupo de cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão, publicadas na revista Ecological Research, mudanças nas temperaturas das águas do Pacífico poderão afetar a distribuição de algas, que são adaptadas à vida em água fria.

Os autores do artigo concluem que, mesmo com os cenários mais “modestos” do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), a diversidade das espécies de konbu “pode diminuir drasticamente até ao fim do século XXI”.

Na análise, a equipa comparou dados já existentes sobre a incidência de algas no Atlântico Norte, o que fortaleceu a hipótese de que, no fim do século, pelo menos 11 espécies de algas podem desaparecer da costa nipônica. Entre as espécies, encontram-se algumas variedades relevantes para a economia local, tais como Saccharina japonica, S. longissima e S. angustata.

Algumas espécies podem desaparecer ainda nos anos 2040, segundo as projeções da investigação. De acordo com o Japan Times, um tipo de alga utilizado na preparação de ensopados quentes e conhecida como nagakonbu está na lista de algas em risco de desaparecer.

Entretanto, o artigo não explora o impacto da extinção nos ecossistemas aquáticos. “Mais investigação incorporando os efeitos da interação entre espécies de planta e entre plantas e animais nas mudanças de distribuição e abundância da comunidade de algas pode ser necessária para elucidar o impacto das alterações climática nas florestas de algas”, aponta a equipa.

Segundo o jornal japonês, a temperatura da água do mar na ilha de Hokkaido pode chegar a subir até dez graus Celsius. “A distribuição de konbu pode ser reduzida a entre zero e 25% daquilo que era nos anos 1980”, explica o Japan Times.

Mais de 800 mil toneladas de algas comestíveis são produzidas pelo Japão por ano, segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.