Catarina Barreiros: “Tudo o que fazemos tem impacto”

Fonte: Blog "Do Zero"
Fonte: Blog "Do Zero"

Vivem-se tempos atribulados para a humanidade, mas quem tem ganho com isso é o planeta. Cada vez mais conscientes da importância de se ser sustentável nos dias de hoje, o Conceitual procurou perceber o que isto significa com quem percebe do assunto.

Catarina F. P. Barreiros procura através do seu Instagram e blog “Do Zero” falar sobre sustentabilidade. Através destas plataformas promove e aconselha medidas que podem ser mudadas no dia a dia de cada um, com o principal objetivo de poupar o ambiente.

Atualmente como é ser uma pessoa sustentável?

Catarina: Dá o mesmo trabalho do que não ser, porque hoje temos imensas ajudas, imensos sites que nos entregam as coisas todas, temos tudo acessível e pronto. É bastante fácil.

quanto tempo te consideras uma pessoa sustentável?

C: Foi sendo um bocadinho progressivo. Não há uma época certa em que de um momento para o outro tudo mudou, mas se tiver que escolher uma altura foi quando casei. Passei a ter a minha casa, comecei a fazer as coisas à minha maneira, escolher as coisas que comprava, porque em casa dos meus pais não era possível. Então comecei a ficar mais alerta desde o momento em que casei, sem dúvida.

Como é que o teu marido encara esta opção de vida?

C: É uma opção nossa, pensada a dois e é muito mais fácil, porque quando um não quer ou está preguiçoso o outro vai e ajuda. Até foi ele que me puxou imenso para isto.

No que sentes que o teu dia a dia difere das outras pessoas?

C: Sinceramente, no essencial, nada. Tenho que limpar a casa como toda a gente, de lavar a roupa, de cozinhar, simplesmente as coisas que escolho comprar é que mudam. Se calhar faço essa escolha de forma mais consciente, compro menos coisas, reutilizo mais coisas, é mais por aí. Eu penso que é tudo muito parecido, as pessoas julgam que isto é drama, mas não é.

Como é que os teus pais vêem a tua vida agora?

C: Para eles não mudou assim tanto, porque só nas coisas práticas do quotidiano é que as coisas mudaram. A única mudança que se calhar eles foram confrontados é o facto de eu não comprar roupa nova à Graça (filha da Catarina) e, portanto, eles também não compram. Também o facto de fazermos uma alimentação vegetariana, portanto quando vamos almoçar a casas deles, regra geral, comemos comida vegetariana. Não acho que sintam grande diferença. Quem sente somos nós, cá em casa, na conta da água e no que poupamos ao não usar coisas descartáveis.

Que mensagem passarias ao mundo?

C: Em primeiro é perceber que tudo o que compramos, todo o dinheiro que investimos é um voto e passa uma mensagem. Portanto onde alocamos o nosso dinheiro, ou não, tem um efeito na sociedade. Ou seja, se comprarmos uma t-shirt estamos à dizer à marca que acreditamos nos valores deles. Isto é, se for uma marca que escraviza pessoas, transmitimos que não nos importamos com essa escravidão, que somos passivos ou que, de alguma maneira, contribuímos passivamente para essa exploração. É muito importante percebemos que cada vez que vamos pagar e comprar alguma coisa estamos a dizer que concordamos ou estamos a dizer: “Olhem do meu dinheiro que é finito, eu estou a escolher alocar uma parte a isto”. Também temos uma responsabilidade que é: perceber de onde é que vêm as coisas que nos chegam. Analisar, fazer perguntas às marcas e, quando elas não querem responder, está aí a resposta. Temos que ser um bocadinho mais conscientes do que compramos, daquilo que o nosso dinheiro vale. Conscientes de que tudo o que nós adquirimos tem um impacto, tudo o que nós fazemos tem um impacto. Se eu deixar água a correr durante uma hora, a consequência vai ser de 500 litros, ou mais, de água gastos desnecessariamente.

Sentes que a tua mensagem através do Instagram e do teu blog chega às pessoas?

C: Sim, tenho a certeza. Às vezes duvido e, quando duvido, basta abrir as mensagens e tenho sempre alguém a dizer: “Olha hoje mudei isto ou aquilo”. Recordo também uma sondagem que fiz sobre uma publicação acerca da poupança de água do banho. Tantas pessoas fizeram e aderiram a esta medida que, por ano, poupamos 2 milhões e meio de litros de água todos juntos. Portanto, tenho a certeza que a mensagem chega e é por isso que não desisto.

Publicação sobre poupança da água do banho. Fonte: Instagram