Cientistas descobrem bactéria que consome plástico

Fotografia: Etienne Girardet/Unsplash
Fotografia: Etienne Girardet/Unsplash

A bactéria não apenas quebra plásticos de poliuretano, como utiliza a partícula tóxica como alimento. O material, utilizado em vários produtos, é raramente reciclado.

Cientistas alemães do Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental-UFZ (CHPA-UFZ), de Leipzig, descobriram aquilo que, de acordo com a plataforma Phys.org, seria “uma pequena resposta para um dos maiores problemas no planeta”. A pesquisa expôs que a bactéria é a única conhecida que se consegue alimentar do plástico, dado que, quando quebrado, o material libera químicos tóxicos e cancerígenos, que matam a maioria das bactérias.

Utilizado na produção de calçados desportivos, fraldas, esponjas de cozinha e isolamento de espuma, o plástico é dificilmente reciclado. Segundo os pesquisadores, embora a bactéria tenha sido encontrada num depósito de lixo, ainda é necessário realizar muitas pesquisas para a utilizar no tratamento de grandes quantidades de lixo.

Em entrevista ao jornal The Guardian, Hermann Heipieper, membro do grupo de pesquisas do CHPA-UFZ, afirmou que “ainda podem levar dez anos antes que a bactéria possa ser usada em larga escala”. O pesquisador complementou que “é vital que se reduza o uso do plástico que é difícil de reciclar e também cortar a quantidade de plástico no ambiente”.

A bactéria, pertencente à família Pseudomonas bacteria, é uma nova vertente desse grupo de bactérias, conhecidas por resistirem a altas temperaturas e ambientes ácidos. Na entrevista, Heipieper declarou que as pesquisas demonstraram que a nova bactéria “pode utilizar [os componentes da quebra do plástico] como fonte única de carbono, nitrogênio e energia”, e que o próximo passo seria “identificar os genes que codificam as enzimas produzidas pela bactéria que quebram o poliuretano”.

Desde os anos de 1950, mais de oito bilhões de toneladas de plástico foram produzidas, e acabam a poluir a terra, os oceanos ou os depósitos de lixo. Em 2015, produtos feitos de poliuretano eram responsáveis por 3,5 milhões de toneladas do total de plásticos produzidos na Europa.