Coronavírus afeta celebração da Páscoa

Papa Francisco nesta Pàscoa de 2020. Foto: Remo Casilli/Pool Photo via AP

Com as medidas de restrições adotadas para evitar a propagação da pandemia, a Basílica de São Pedro esteve praticamente vazia, sem a presença do público.

E, mais uma vez, sem fiéis, o Papa presidiu neste 12 de abril a missa de domingo de Páscoa. Papa Francisco não foi à janela onde costuma conceder a habitual bênção e toda a cerimónia decorreu no interior da Basílica, junto ao túmulo de São Pedro. A sua mensagem foi a pensar nos doentes e fez também um apelo ao fim dos conflitos armados, ao perdão da dívida dos países mais pobres e à solidariedade entre europeus.

A celebração aconteceu numa Basílica praticamentre vazia. De referir, que o domingo de Páscoa é uma das datas mais importantes no calendário dos católicos, por todo o mundo.

“Caros irmãos e irmãs, boa Páscoa. O meu pensamento hoje vai sobretudo para todos aqueles que foram atingidos diretamente pelo coronavírus, os doentes, os que morreram e os familiares que choram o desaparecimento dos mais próximos, aos quais, tantas vezes, não conseguiram sequer dar o adeus final. Não é este o tempo para egoísmos porque o desafio que estamos a enfrentar é igual para todos e não diferencia as pessoas”, disse o Papa.

O Santo Padre apelou à paz em todo o mundo, ao apoio aos mais vulneráveis nos países mais pobres e lembrou os mais velhos, os que estão sós, os refugiados, os sem abrigo. Papa Francisco deixou um agradecimento aos que, na linha da frente, trabalham para que outros possam sobreviver – sobretudo aos que trabalham nos hospitais e nas forças da ordem.

Pediu aos governantes que se ajudem e que cooperem neste momento difícil: “Entre as tantas áreas do mundo atingidas pelo coronavírus, dirijo um pensamneto especial à Europa. Hoje, a União Europeia tem pela frente um desafio épico da qual dependerá não só o seu futuro, mas o do mundo inteiro. Não se perca a ocasião de dar a verdadeira prova de solidariedade mesmo recorrendo a soluções inovadoras.”

No final do discurso, o Papa concedeu a todos a habitual bênção Urbi et Orbi – aceda aqui à íntegra da mensagem.

Na sexta-feira, foi a Praça São Pedro que acolheu a Via-Sacra, tradicionalmente realizada no Coliseu de Roma. Mais uma vez, a Praça estava vazia devido à pandemia, somente iluminada por tochas no chão e pela Cruz de Jesus. As 14 estações foram realizadas em volta do obelisco central, com um único grupo de pessoas que revezaram o momento de carregar a Cruz.

(Fonte: Vatican News)