Covid-19: Crianças podem ter sintomas similares à doença de Kawasaki

Fotografia: Piero Cruciatti/Agence France-Presse
Fotografia: Piero Cruciatti/Agence France-Presse

Pelo menos cem casos de uma complicação parecida com a doença de Kawasaki já foram reportados no Reino Unido. A doença afeta, em geral, crianças de até cinco anos, mas há casos de jovens de até 16 anos que a desenvolveram.

Até há alguns meses, acreditava-se que crianças infetadas pelo novo coronavírus apresentavam apenas sintomas leves da infeção. No entanto, num número reduzido de crianças, a infeção pode levar a complicações graves, algumas das quais precisarão dos cuidados intensivos.

A explicação para a manifestação dos sintomas ainda é desconhecida, mas podem estar relacionados com uma resposta imunológica atrasada ao novo coronavírus e que se parece com a doença de Kawasaki.

Segundo a BBC, os profissionais do Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS) receberam ainda em abril um documento de urgência que alertava para um “aumento aparente” na notificação de casos graves em crianças com sintomas atípicos.

O alertava decorreu em consequência da notificação de oito crianças internadas em Londres, uma das quais veio a óbito, aos 14 anos. Os sintomas das crianças, revela o canal de televisão britânico, eram parecidos e incluíam febre alta, erupções cutâneas, vermelhidão nos olhos, inchaço e dor generalizada.

A maior parte das crianças não desenvolveu sintomas dos pulmões ou de respiração, apesar de sete terem sido tratados com ventiladores para melhorar problemas cardíacos e de circulação.

“Tens o pico da Covid-19 e, depois de três ou quatro semanas, estamos a ver um pico neste fenómeno que nos leva a pensar que se trata de um fenómeno pós-infecioso”, declarou à BBC Liz Whittaker, professora de doenças infeciosas e imunologia pediátricas do Imperial College London.

As autoridades de saúde nova-iorquinas também anunciaram, há pouco mais de uma semana, haver 73 casos de crianças severamente doentes com sintomas similares à doença de Kawasaki. Segundo o Guardian, o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou um “capítulo inteiramente novo” de uma doença que se acreditava causar apenas sintomas leves nas crianças.

Em Portugal, houve apenas um caso descrito do choque tóxico. Nesta sexta-feira, a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, confirmou que a criança já recuperou e teve alta. O caso foi comunicado ao Centro Europeu de Controlo de Doenças.