Espinho quer grades nas praias e vigilância por drone

Plano balnear de Espinho prevê grades nas praias. Foto: Câmara de Espinho.

Conhecido pelos oito quilómetros de praias, clima ameno e areais extensos, o município de Espinho preparou plano balnear com grades nas praias, vigilância por drone e a criação de uma bandeira de ocupação máxima.

Muito procurado durante todo o verão, o município de Espinho tem uma extensa orla costeira que atrai milhares de portugueses e estrangeiros todos os anos. Antecipando a problemática que poderá acontecer por conta do novo coronavírus, a Câmara Municipal de Espinho (CME) definiu uma série de medidas destinadas a garantir o distanciamento imposto pela pandemia de Covid-19 e que aguardam agora aprovação pela Agência Portuguesa do Ambiente. A informação foi adiantada esta semana pela Lusa.

Uma das medidas anunciadas pelo presidente da Câmara de Espinho é a separação de espaços na praia feita através da colocação de grades. O objetivo do gradeamento é facilitar o controlo de entradas e saídas nos areais, melhorar a perceção de eventuais aglomerações e aumentar a definição das áreas de responsabilidade dos concessionários, ajudando aos respetivos procedimentos de segurança e higiene.

“Tudo será articulado para que a permanência na praia possa ser a mais segura possível dentro das restrições a que estamos obrigados este ano”, diz à Lusa o presidente da autarquia, Joaquim Pinto Moreira. Foto: Espinho TV.

Outro reforço na vigilância virá de equipas de trabalho balnear que utilizarão motos 4×4 ou veículos similares, uma rede de rádio própria e um drone.

“Um drone é uma opção de vigilância com baixo custo de investimento e operacionalidade, permitindo obter rapidamente uma ‘big picture’ de toda a frente de praia, várias vezes ao dia, com meros intervalos para carregamento de bateria”, defende Pinto Moreira.

O autarca chama a atenção para o uso que esse equipamento de videovigilância aérea permitirá: “comunicar com os cidadãos em terra através de um altifalante incorporado, emitindo mensagens de prevenção destinadas, por exemplo, a dissuadir aglomerações, a alertar para riscos e a apoiar a tomada de decisões de socorro e o envio de meios necessários”.

Para Moreira o drone traz outra vantagem que é sua capacidade para “transmitir imagens em direto às salas de operações e de comunicações de diferentes entidades, onde quer que essas estejam localizadas”.

Está ainda em avaliação a possibilidade de instalação de um sistema de videovigilância equipado com “um software que permita avaliar em contínuo o número de pessoas na praia e o cumprimento do seu afastamento social, o que evita a dependência exclusiva da análise humana, sempre mais sujeita a erros de avaliação”, ressalta Moreira.

O autarca quer criar ainda uma bandeira específica “a hastear sempre que a praia atinja o limite da sua capacidade como dispositivo de alerta para evacuação da área em caso de incumprimento das regras de segurança”.

Medidas destinam-se a garantir o distanciamento imposto pela Covid-19. Foto: TVI4.