Governo canadense proíbe armas de assalto no país

Fonte: David Kawai/Bloomberg via Getty Images
Fonte: David Kawai/Bloomberg via Getty Images

A proibição é anunciada menos de duas semanas depois da morte de 22 pessoas em um tiroteio com rifles e pistolas no leste do país. O acontecimento foi considerado o maior massacre do tipo da história do Canadá.

O primeiro ministro canadense, Justin Trudeau, declarou nessa sexta-feira, 1, que estão agora proibidas todas as armas de assalto, o que consiste na proibição de mais de 1.500 modelos de armas de calibre militar no país. A medida vêm como tentativa de evitar que tiroteios em massa ocorram novamente no país.

“Estas armas são designadas para um único propósito e esse propósito é: matar um grande número de pessoas em um curto espaço de tempo. Não há uso e não há lugar para esse tipo de arma no Canadá”, afirma Justin Trudeau, na entrevista coletiva onde divulgou a decisão. “A partir de agora, não é mais permitido comprar, vender, transportar, importar ou usar armas de assalto de nível militar neste país.”

Trudeau anunciou, também, que existirá um período de anistia de dois anos para que os cidadãos que atualmente possuam armas desse tipo se adequem à nova lei. A estimativa é de que existem no país mais de 83 mil armas que estão inclusas na lista de proibições. A proibição, no entanto, entrou em vigor de forma imediata e o uso das armas está proibido no país desde sexta-feira, quando a coletiva onde o anúncio foi feito aconteceu. 

Tiroteio no Canadá deixou 22 mortos

O ataque teve início no sábado à noite, dia 13 desse mês. Segundo a polícia canadense, o autor dos tiros tinha um carro parecido com uma viatura policial. O homem responsável pelo massacre tem 51 anos e já foi detido. O tiroteio teve 12 horas de duração.

O homem detido estava portando dois rifles e várias pistolas de tipo semi-automáticas, de acordo com a polícia canadense. Trudeau, que já tinha declarado sua intenção de banir as armas no Canadá durante sua campanha eleitoral, falou novamente sobre o fortalecimento no controle de armas logo após o acontecimento.

Esse foi o pior ataque do tipo no país desde 1989, quando um assassino foi responsável pela morte de 15 mulheres em Montreal.