“Não haverá vacina nos próximos meses”, diz ECDC

Fotografia: EPA/RUNGROJ YONGRIT

Este é um alerta do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC). Esta entidade pede “cautela” no levantamento das restrições porque é “muito provável” que a vacina para Covid-19, ou outro tratamento, só chegue em 2021.

Em entrevista à Lusa, o especialista principal do ECDC para a resposta e operações de emergência, Sergio Brusin, diz que o lançamento da vacina em massa “não vai acontecer nos próximos meses”.

Referindo-se às investigações que estão a decorrer, dentro e fora da Europa, o especialista, segundo o Público, faz saber que, apesar de alguns testes de vacinas em humanos já estarem a avançar, “para haver produção suficiente para distribuir por toda a Europa serão precisos vários meses”. O ECDC, no comunicado, elenca que é preciso haver uma produção segura, fazer a distribuição e escolher a quem se vai dar primeiro a vacina.

Pfizer já está a testar vacina contra Covid-19 em humanos. Fotografia: Getty Images

“Muito dinheiro está a ser aplicado na descoberta de vacinas e de tratamentos e, apesar de haver algumas opiniões mais otimistas, isso não acontecerá tão depressa”, diz em declarações à Lusa.

À agência explica que não se sabe “se as vacinas, ou tratamentos, criadas irão proteger apenas por uma temporada, como as vacinas da gripe, ou se vão proteger mais tempo”.

“Ainda não estamos a conseguir controlar, mas o número de casos também não está a aumentar como estava a acontecer”, ressalva o especialista. De acordo com a RTP, Sergio Brusin defende que é importante “continuar a fazer” o que está a ser feito. Manter o distanciamento social, o rastreamento de contactos, a higiene das mãos, entre outras medidas.