Nicolás Maduro acusado por tráfico de drogas

Fonte: Matias Delacroix/Associated Press

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi acusado formalmente por procuradores americanos nesta quinta-feira, 26 de março, de financiar o narco-terrorismo venezuelano.

A acusação se dá como desfecho de uma longa investigação estadunidense para pressionar Maduro a deixar o poder, tendo sido acusado de levar seu país a falência, anomia social e caos político.

Pronunciamento Oficial dos procuradores do caso.

Segundo o The New York Times, a investigação do procurador geral William Barr, em conjunto com a Imigração e Alfândega Americana (Homeland Security), indica o envolvimento e participação do líder no chamado Cartel de Los Sols mesmo quando ainda ganhava apoio popular, antes de seu período na presidência. Foram acusados também no inquérito outros doze oficiais de inteligência e membros de seu governo, nomeadamente o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça e Ministro da Defesa Venezuelano.

Dois sobrinhos de Maduro já cumprem atualmente sentenças, nos Estados Unidos da América, por financiamento ilícito de um montante equivalente a 18 milhões de euros, para ajudar a família a se manter no poder.

De acordo com os procuradores, o cartel alegadamente trabalhava junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o maior grupo rebelde da região, e também com algumas potências locais, como Honduras, para garantir exportação em massa de cocaína para o país de Trump.

O Departamento de Estado, através do Programa de Recompensa Anti-Narcóticos, oferece quantias equivalentes de treze milhões e seiscentos mil euros por informações ligadas a Nicolás Maduro, que possam auxiliar nesta ou em futuras investigações.

O chefe de Estado se defendeu pelo Twitter, logo após o pronunciamento dos investigadores, afirmando seu compromisso de defender a paz e a estabilidade na Venezuela, alegando que a potência da América do Norte não pôde e nem poderá ameaçá-las.