Portugal e Israel tentam desenvolver vacina para Covid-19

Fonte: Al Jazeera

Equipa de cientistas portugueses e israelitas, que já tinham criado uma plataforma de nanovacinas, procura desenvolver uma candidata para combater a Covid-19. Espera-se que os ensaios em pessoas comecem, no máximo, dentro de dois anos.

Segundo o Público, esta equipa de cientistas já tinha conseguido desenvolver uma plataforma de nanovacinas capaz de estimular a resposta imunitária contra o melanoma (um tipo de cancro da pele). O novo objetivo dos profissionais é adaptar a plataforma para combater a Covid-19.

A equipa já criou cinco candidatas à vacina e está a testar a sua resposta imunitária em “ratinhos”. Espera-se que seja possível escolher uma candidata à vacina para começar os ensaios clínicos no prazo de dois anos. A Fundação La Caixa anunciou, esta terça-feira, que financia o projeto em cerca de 300 mil euros.

O laboratório de Helena Florindo, da Faculdade de Farmácia (da Universidade de Lisboa) e o de Ronit Satchi-Fainar (da Universidade de Telavive) apresentaram um artigo na revista Nature Nanotechnology com os resultados da nanovacina desenvolvida. A informação publicada em Agosto de 2019 prova que tinham conseguido aumentar o efeito da ativação do sistema imunitário no combate às células cancerosas, pelo que se observou uma “notável inibição do crescimento de tumores” em “ratinhos” com melanoma.

Florindo explica que “basicamente pegámos na plataforma que tínhamos desenvolvido, no nosso laboratório, em colaboração com o grupo em Israel”, de forma a desenvolver uma nanovacina para a Covid-19. Já existem resultados preliminares de duas das candidatas à vacina. Florindo explica que estas estimulam as células do sistema imunitário e que detetaram a produção de anticorpos. Os cientistas esperam então ter esta vacina pronta para ensaios clínicos – “de forma realista, não será antes de dois anos”, afirma Florindo.