Reino Unido começa ensaios clínicos para vacina esta semana

Fonte: Público

Matt Hancock, o ministro da Saúde britânico, anunciou esta terça-feira que os ensaios clínicos para a vacina da Covid-19, que está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford, vão começar na próxima quinta-feira.

O ministro da Saúde afirma que o Governo está a “apostar tudo” no desenvolvimento de uma vacina e considera que esta é “a melhor maneira de derrotar o coronavírus”, segundo o jornal Público. Hancock diz ainda que o processo de criar uma vacina é de “tentativa e erro”, mas que o Reino Unido está “na frente do esforço global”, e tem investido mais dinheiro que qualquer outro país neste processo.

Hancock informa que foram disponibilizados 20 milhões de libras (aproximadamente 22,7 milhões de euros) para o grupo da Universidade de Oxford, e outros 22 milhões de libras (aproximadamente 25 milhões de euros) para outro projeto de uma vacina que está a ser desenvolvida pelo Imperial College de Londres. O ministro da Saúde afirma que “ambos os projetos estão a fazer progressos rápidos, e disse aos cientistas que os lideram que vai fazer “tudo o que estiver ao seu alcance para os apoiar”. Hancock concluiu que “afinal, a vantagem de ser o primeiro país no mundo a desenvolver uma vacina com sucesso é tão grande que estou a apostar tudo nela.”

Na passada sexta-feira, o Reino Unido anunciou que tinha criado um grupo de trabalho para apoiar vários projetos de desenvolvimento de vacinas para a Covid-19. O financiamento vem de um fundo de investimento no valor de 14 milhões de libras (aproximadamente 16 milhões de euros), e vai chegar a 21 projetos de investigação para que desenvolvam “tratamentos e vacinas”.

O grupo é composto por membros da empresa farmacêutica AstraZeneca e da organização britânica Wellcome Trust, e vai ser liderado por Patrick Vallance, o principal conselheiro científico do Governo Britânico, e pelo especialista Jonathan Van-Tam. O objetivo do grupo é garantir que os cientistas e a indústria tenham recursos para desenvolver a vacina. Sarah Gilbert, professora da Universidade de Oxford, referiu em entrevista ao The Lancet que os ensaios clínicos da vacina da sua instituição devem começar nas próximas semanas. Gilbert disse que a vacina pode ficar disponível dentro de cinco meses, mas deixa o aviso que “ninguém pode prometer que vai resultar”.