SpaceX recebe aval da NASA para lançar astronauta

Fonte: New York Times

Na sexta-feira, dia 22, os oficiais da NASA deram o seu apoio à SpaceX para continuar as preparações de forma a lançar dois astronautas num foguetão. O objetivo é partirem da Flórida e alcançarem a Estação Espacial Internacional.

De acordo com o New York Times, a descolagem será feita do Kennedy Space Center da NASA e está agendada para a quarta-feira da próxima semana, às 16h33. Este acontecimento pode marcar uma era em que a NASA pode contar com o apoio de empresas privadas, como a de Elon Musk. No dia 22 de maio, um porta-voz da Casa Branca referiu no Twitter que Donald Trump, Presidente dos EUA, vai assistir à descolagem na Flórida.

A NASA faz o que chama de “uma revisão de preparação de voo”, uma semana antes de cada lançamento. Isto serve para garantir que o foguetão está pronto, tal como os sistemas de lançamento e para que possa resolver quaisquer preocupações que possam existir.

A revisão desta missão começou no dia 21, tendo sido prolongada para o dia seguinte. Stephen Jurczyk, administrador da NASA que liderou a revisão disse – “Fico feliz por anunciar que não há problemas significativos em aberto” e conclui a dizer que “foi uma revisão muito limpa”.

Durante a tarde de sexta-feira, a SpaceX testou os motores do foguetão, por uns segundos, mantendo-o preso à plataforma de lançamento – um procedimento conhecido como “disparo estático”. Os oficiais da NASA e da SpaceX afirmaram que estão a trabalhar com o tempo necessário, sem pressas. Benji Reed, o diretor da gestão da equipa da missão disse que “tal como estamos a tomar conta uns dos outros durante estes tempos interessantes, estamos a tomar conta da equipa para a trazer a casa”.

As preparações para a missão e a decisão de avançar vieram coincidir com tempos difíceis na NASA. Douglas L. Loverno, que estava à frente do programa espacial humano da agência, despediu-se seis meses após ter aceitado a posição. Apesar de Loverno ter afirmado que a sua decisão não se relacionava com a missão, veio acrescentar dúvidas à promessa da administração Trump – colocar astronautas na Lua, até 2024.