Surto de vírus ou episódio de “Black Mirror”?

Fonte: Diário de Coimbra
Fonte: Diário de Coimbra

Pensar na situação atual do país e do mundo é pensar num episódio da série “Black Mirror”. Todo o desenrolar dos factos, isolamento social, avanço dos casos fazem jus àquilo que é um episódio da série.

Atravessa-se atualmente uma fase em que o mundo está à mercê da evolução de um vírus, que já contagiou milhares e matou outros tantos. Perante este quadro, as nações recorrem a estados de emergência que resultam no encerramento de estabelecimentos, serviços, e outros hábitos que fazem parte do dia-a-dia, de modo a que a circulação de pessoas diminua, evitando assim a propagação do vírus.

Sem saber o que fazer ou qual o próximo passo a dar, vive-se sem guião ao ritmo daquilo que o destino trouxer e o tempo permita que aconteça. Ouve-se as recomendações da Direção-Geral da Saúde, segue-se as regras impostas, mas sem saber o rumo que vai tomar o futuro incerto que está para chegar.

Vive-se agarrado à tecnologia que aproxima, dentro do possível, enquanto durar o isolamento social. Vive-se a definir as horas do dia para que estejam preenchidas de modo a não enlouquecer. Vive-se no mundo do Charlie Brooke, satirista e criador da série “Black Mirror”.

Nalguns dos episódios da série, produzida pela Netflix, veem-se ruas vazias, dependências tecnológicas, realidades que se afastam daquelas que anteriormente eram conhecidas. Pensa-se então no que se vive agora, será Charlie Brooke “um adivinho” como já se intitulou no seu Twitter?

Talvez seja melhor aproveitar esta quarentena, sem saber qual o resultado que vai ter, para ver a série e aprender com a ela a lidar com os próximos tempos que se aproximam, momentos que são imprevisíveis e incertos. Momentos muito diferentes daquilo que algum dia podiam alguma vez ter passado pela cabeça de qualquer pessoa.