Uma pandemia traduzida em fotogalerias

Placa de partida dos voos no aeroporto internacional de Stuttgart, Alemanha. Fonte: Ronald Wittek / EPA.
Placa de partida dos voos no aeroporto internacional de Stuttgart, Alemanha. Fonte: Ronald Wittek / EPA.

Não precisa de tradução, é linguagem universal: a fotografia documental tem registado a maior pandemia dos nossos tempos e os grandes meios de comunicação disponibilizam os vários olhares.

O cientista, professor, colaborador e crítico do jornal Expresso Jorge Calado escreveu esta semana sobre como a cultura é marginalizada em épocas calamitosas: “As obras de arte somem-se ou são destruídas e os artistas são deixados ao Deus dará”, lamenta. Porém, Calado lembra que é na cultura e nas artes que podemos encontrar os esteios mentais e morais necessários para lutar e sobreviver. A cultura é o que fica depois de todo o resto ter desaparecido.

A primeira característica da cultura é ser comum, isto é, habitual e normal. Nas várias definições de cultura existe um fio condutor que aponta na mesma direção: a cultura é o prolongamento da memória dos povos. E esse pode ser também o objetivo da fotografia documental, durante a pandemia de Covid-19. Mais especificamente das fotogalerias que muitos meios de comunicação atualizam através do trabalho de milhares de fotógrafos que registam a história que se faz em 2020.

Em sua maioria as fotogalerias trazem o mínimo de texto, o valor está em colocar a fotografia como a arte que permite deter o olhar. Deste modo, fazer emergir desejos e questionamentos, construindo vínculos raros em nossas experiências. O Conceitual separou cinco fotogalerias comprometidas com a história que espera para ser contada através do registo em imagem.

Crónicas fotográficas do Público

No jornal Público as fotogalerias trazem, em sua maioria, um texto explicativo: em algumas é o próprio fotógrafo a assinar a crónica fotográfica, como nesta publicada por Adriano Miranda em 28 de março:

Fotojornalista Adriano Miranda registra e escreve para o Público. Fonte: Reprodução Internet.

Reuters: gostou? pode comprar

A Reuters, agência de notícias britânica com sede em Londres, divide sua enorme editoria de fotogalerias em vários temas como “Escolha dos editores”; “Nas manchetes”; “Imagens da semana”; “Estranhamente ao redor do mundo” ou “Holofote”. Identifica cada fotografia com uma única referência feita com números e letras, para facilitar a venda da imagem e respectivo pagamento dos direitos de autor.

Al Jazeera Media Network

A maior emissora de televisão jornalística do Catar e a mais importante rede de televisão do mundo árabe mantém em seu sítio online uma editoria especial para reportagens fotográficas. No AlJazeera InPictures as imagens são, em sua maioria, fotos de agências noticiosas como as da Associated Press. Algumas fazem parte de reportagens especiais.

A organização britânica no Guardian

As fotogalerias no Guardian – diário britânico, são organizadas pelos dias do mês e podem trazer apenas uma ou dezenas de secções por dia. Os editores de imagens do jornal selecionam destaques do fotojornalismo por todo o mundo e para isso usam registros de agências como a norte-americana Getty Images ou a EPA european pressphoto agency.