Voluntários ajudam quem não pode sair de casa

Fotografia: GaúchaZH
Fotografia: GaúchaZH

O projeto Ajuda Coronavírus, no Brasil, auxilia aqueles que fazem parte do grupo de risco do coronavírus com tarefas como compras no mercado, de remédios e produtos de higiene. A iniciativa oferece um cadastro gratuito, e não envolve nenhuma despesa.

O grupo, que surgiu em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, passou a ter um alcance nacional, de forma gratuita e colaborativa. Pedro Viana, idealizador e desenvolvedor do Ajuda Coronavírus, explica que o auxílio se dá por aproximação, ou seja, a plataforma identifica a localização do voluntário e quem necessita de ajuda.

No formulário disponível na página do projeto, o motivo pelo qual se precisa de ajuda é um dos campos obrigatórios a se preencher. Pedro Viana esclarece que idosos, pessoas com saúde debilitada ou com outros tipos de problemas de saúde no grupo de risco são aptos para submeterem o pedido de ajuda. O idealizador ainda declara que a ideia surgiu de um ato simples: vizinhos que colocavam post its em elevadores, se disponibilizando para ajudar idosos nas compras.

Viana ainda explica que, dado que não há mobilização em certos condomínios, a plataforma serve para “unir as pessoas e fazer com que aqueles do grupo de risco não saiam de casa”, dado que no Brasil está “entrando em uma fase mais grave [da pandemia]”. O idealizador clarifica que qualquer pessoa pode se inscrever no projeto, e que o tempo pode ser administrado pelo próprio voluntário.

Até ao momento, a plataforma tem mais de 1.600 voluntários e cerca de 300 pedidos de ajuda, decorrente do facto que, de acordo com Viana, a população do grupo de risco “mesmo que de forma errada, continuam saindo muito [no Brasil]”. O criador do projeto comenta, também, que o objetivo vai além de ajudar, mas também salvar a vida daqueles que são parte do grupo de risco e poderiam, potencialmente, contrair a Covid-19.

Pedro Viana sublinha que o grupo Ajuda Coronavírus tenta acompanhar todos os voluntários, dando indicações de higiene e segurança, que também podem ser transmitidas para as pessoas ajudadas.

Confira a entrevista completa:

Situação agrava-se no país

De acordo com o portal da BBC Brasil, as Secretarias estaduais de Saúde registaram até hoje, 23 de março, 1.629 casos da Covid-19 e 25 mortes, sendo 22 delas no estado de São Paulo. O Ministério da Saúde do Brasil (MS/BR) declarou na última sexta-feira, 20 de março, que todo o território nacional está sob o estatuto de transmissão comunitária do novo vírus.

Fonte: Ministério da Saúde até 15 de março; secretarias estaduais da Saúde a partir de 16 de março.

O MS ainda fez uma série de recomendações para prevenir o contágio da Covid-19, que incluem cuidados pessoais, como a desinfeção de objetos e superfícies; uso de lenço descartável e de máscaras faciais.

O Sistema Único de Saúde fez um apelo para que, se possível, as pessoas optem por ir a lugares públicos em horários alternativos, a fim de evitar aglomerações. Assim, optar fazer compras e utilizar o transporte público fora do horário de pico, por exemplo, é uma das formas de prevenir o contágio.